A arte do encontro V

29/08/2012 às 10:12 | Publicado em Uncategorized | 12 Comentários
Tags: , , , , , , ,

 

              

 

Texto de Aldir Blanc, lido por José Wilker na última edição do Prêmio da Música Brasileira:

 

 

Quando conheci João Bosco, fiquei fascinado com um ponto comum na imensa variedade de seu repertório ainda sem letra — sambas, toadas, canções, algumas cujo gênero não era, e não é até hoje, fácil de definir: havia nelas o uivo barroco da solidão de Ouro Preto, cidade onde João estudava engenharia e compunha, em silêncio, uma revolução musical.

Já éramos, por temperamento e destino, uma parceria indissolúvel. Tínhamos, como nos orgulhamos de ter até hoje, inesgotável vontade de trabalhar. Lembro do João, começo dos anos 70, quando já morava no Rio, pegando o violão no começo da tarde. Muitas vezes outro dia raiaria, e apesar dos uísques e cervejas, nós estávamos inteirinhos, atentos, João tocando na pontinha da cadeira, eu em frente, ligadaço, como no minuto em que havíamos começado a canção, na tarde anterior, até ficarmos satisfeitos e trocarmos um sorriso cifrado: mais uma no balaio.

João é um forte. Sofreu incompreensões e até maldades difíceis de suportar, a menos que o artista tenha um objetivo implacável. Compúnhamos em táxis, butecos, aviões e de madrugada, em hotéis, quando voltávamos dos shows, incansáveis. Fizemos músicas em pé, de ressaca, na beira da calçada. Fizemos música sonhando, fizemos música sofrendo muito. Esse é o maior orgulho da parceria: sempre ralamos com afinco, com a maior garra.

Estivemos afastados vinte minutos, vinte séculos – e esse tempo foi igual a observar as mesmas estrelas de navios diferentes, sentindo a água e o vento que nos reuniria.

Se hoje, paradoxalmente, as dificuldades são maiores, também fomos claros sobre isso: “Glória a todas as lutas inglórias!”.

 

 

               Como João e Aldir, temos uma parceria indissolúvel, por temperamento e destino.

               Como Aldir e João, ficamos algum tempo afastados  — “a observar as mesmas estrelas de navios diferentes” —, por contingências da vida, sem nunca ter brigado.

               Como João e Aldir, um dia nos reaproximamos e apenas prosseguimos a conversa interrompida na proa do velho barco, como acontece com os verdadeiros amigos.

               Ele e eu sempre adoramos Aldir e João. Um dos momentos mágicos da minha vida foi quando, já amanhecendo o dia  (“eu gosto quando alvorece porque parece que está anoitecendo…”) e após deixá-lo no prédio em que morava, ao sair com o meu fusca começou a tocar no rádio uma canção ainda desconhecida, interpretada por Elis Regina, que imediatamente me despertou todos os sentidos e todas as emoções. Voltei a estacionar, o coração aos saltos, para ouvir com mais atenção, e ao final os olhos teimavam em vazar.

               Era o “O bêbado e a equilibrista”. Que sufoco! Queria voltar, dar um jeito de repetir a música para mostrar a ele. Mas eram outros tempos, duros tempos de ditadura, sem celular, sem internet, sem as facilidades de hoje.

               No dia seguinte, contei-lhe o acontecido, além do título, consegui reproduzir alguns trechos esgarçados da melodia e da letra, falei do arranjo com o som do realejo no início, deixando-o ainda mais ansioso e louco da vida para conhecer a canção, até que alguns dias depois  — muitas vezes mais e até hoje — escutamos juntos.

          Outro momento precioso e parecido foi quando ouvimos juntos pela primeira vez, à porta de uma loja de discos da Guarujá das “meninas descalças”, a canção “Apesar de você”, de Chico Buarque, que acabava de ser lançada.

          E todos aqueles tantos momentos em que trocamos “um sorriso cifrado: mais uma no balaio” (que podia ser uma nova canção ou qualquer outra coisa, apenas a súbita percepção de uma sintonia plena).

               Lembra disso, Brenno?

               Feliz aniversário,  meu jovem ancião.

               Ainda temos muitas penúltimas a fazer e beber, “tanto faz, se é noite ou se é dia”

 

 

               P.S.  Pô, quando é que você vai tomar (ou perder a) vergonha e mandar aquela sua canção para o João?

 

 

 

 

 

 

Me dá a penúltima (João Bosco e Aldir Blanc)

 

Eu gosto quando alvorece

porque parece que está anoitecendo

e gosto quando anoitece que só vendo

porque penso que alvorece

e então parece que eu pude

mais uma vez, outra noite,

reviver a juventude.

Todo boêmio é feliz

porque quanto mais triste

mais se ilude.

Esse é o segredo de quem,

como eu, vive na boemia:

colocar no mesmo barco

realidade e poesia.

Rindo da própria agonia,

vivendo em paz ou sem paz,

pra mim tanto faz

se é noite ou se é dia.

 

 

 

12 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Quem orbita por aqui com frequência percebe a belíssima e longeva amizade que une você, Antonio, e o aniversariante com nome de imperador. Assim também, o quanto ele, o “jovem ancião”, é moço inspirado.
    Ave, BRENNO AUGUSTO! Tudo de melhor que houver nessa vida! E chama na clave!
    Beijocas!
    Antonico, amei as lembranças partilhadas, as músicas (Bosco e Blanc reinam absolutos na vitrola dos meus dias), a celebração. Mais tarde ergo a penúltima em homenagem ao amigo. Cheers!

    • Selminha, se me permite, dê um beijo também na sua “Carlota” (nome de princesa, mas certamente sem o temperamento daquela), a quem também tomaremos uma penúltima mais tarde.
      Cheers!

      • Selma: você, imperceptivelmente, habita nessa órbita misteriosa de sintonia e cumplicidade.
        As auroras
        sutis
        as vitrolas
        os vinis…

        Tudo rola.
        Cheers!

      • Agora, chama na clave, Brenno:

        “Quem habita
        nessa órbita
        misteriosa
        que anoitece
        quando alvorece
        roça o paralelo
        do universo
        que aquece
        a desoras
        o desvão
        de um verso
        aprendiz
        mas nunca
        em vão.
        Viver
        por um triz
        as auroras
        sutis
        as vitrolas
        os vinis…
        Tudo rola.
        Cheers!”

    • Gama, obrigada pelo brinde! Saúde pra todos! Carla

  2. Parabéns ao querido tio! É uma honra conviver com essa dupla. Vida longa aos dois. Um “tim-tim” especial direto de SP! Lindo post. Amo vocês.

    • Bellzinha, você é uma cúmplice incorrigível, a que provoca as voltas para o futuro.
      Beijo.

  3. Também gostaria de parabenizar o Brenno pelo seu aniversário e desejar que a amizade e parceria dessa dupla dure muitos e muitos anos, pois é muito produtiva e gera frutos inspiradíssimos.
    Vale lembrar que Bosco e Blanc (dois mestres!) também tiveram outras parcerias, mas a mais importante e bem-sucedida tanto de um como de outro é mesmo a formada entre eles.
    Abraços,
    André

  4. Ô Antonico… fazfavor… essa foi demais!
    Como um coveiro velho e convertido, você passa a desenterrar as emoções… que sobrevivem ou ressuscitam.
    E nem todos os encontros marcados superam os naturais e espontâneos.
    Porque podemos a qualquer instante
    vestir aquela calça Lee
    e depois sair por aí (pegar um bus pra SP pra ver Elis… o Hair no Theatro São Pedro ?…);
    tomar aquele chope gelado (ou qualquer coisa sem glúten…);
    falar do carnaval passado (onde estão os carnavais?);
    encher o peito de poesia (pra fazer um novo samba pra Maria?).
    Mas deixa de lero-lero…
    Vem cantar na proa!
    Conchinchina é logo ali…
    Me dá a ante-penúltima.

  5. Brenno, passada a festança, musicar a letra do Antonico é preciso. Ficou linda, linda…

    Beijocas!

  6. Doce parceria. Infinita lírica na proa dos ventos.
    Que a cumplicidade os mantenha aconchegados e eternos!
    Amo vcs!

  7. Tio Brenno, parabéns, muita felicidade e saúde.

    Que bom a dupla voltou!
    Vocês dois são diferentes, mas complemantares.
    É uma delícia acompanhá-los.

    Pai, adorei o post.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: